© - Copyright - ©

Copyright - © As fotos e os textos de Eliéser Baco aqui publicados têm Todos os Direitos Reservados pela Lei 9610/98- ©

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Eliéser Baco no Parque do Ibirapuera






Neste próximo domingo, 24 de janeiro, haverá um evento no parque do Ibirapuera em comemoração ao aniversário da cidade de São Paulo. Este evento será a segunda edição do Sarau São Paulo, organizado pela Casa das Rosas.

Das 14 horas e trinta minutos até às 16:00 ocorrerá na Praça da Paz do Parque do Ibirapuera o Sarau da Camarilha, do escritor Marcelo Noceli.
Este escritor convidou este que vos escreve para ler um poema próprio ou texto em prosa, e, também se apresentar com a banda Quatrilho, que cantará duas músicas de sua autoria em formato acústico.

O Sarau da Camarilha é um evento que ocorre mensalmente na zona norte de São Paulo, no bairro de Santana, conta com a participação de convidados e dos frequentadores habituais, que leêm textos de autores consagrados e ou textos e poemas próprios. A participação de poetas e escritores locais evidencia que a literatura está viva, ainda que suprimida por outros artefatos sócio-culturais. A música é uma expressão da arte sempre presente no Sarau da Camarilha, e da mesma forma estará no evento realizado no Parque do Ibirapuera.


Que as mãos da arte leve todos que assim se dispuserem para estar lá no dia 24 de janeiro, a partir das 14 horas e trinta minutos.

Eu, Eliéser Baco, lerei o poema Cidade, de minha autoria.
Quatrilho (banda a qual sou vocalista e compositor ao lado de Marco Cardoso) tocará duas músicas próprias em formato acústico.
Ocorreu um erro neste gadget

Bebedouro

"Ainda não consigo ter pena quando o mal encontra em nós, bebedores de sangue, o dia da desforra. Ainda não consigo perdoar aquilo que eu nunca faria para outra pessoa com tanta frieza, dissimulação e carisma nos olhos. Está aí prontamente a distinção de parte do que fui feito nas décadas, da maré que me fez derrubar o sangue alheio na minha realidade. Sombrias formas de olhar caminhos cruzados, ácido que sai nas linhas e na voz quando o cansaço encontra a raiz para a paz momentânea, e os nossos ossos só querem ferir, proteger os nossos e ferir quem atinge ideais, história sã e a nossa verdade. Nossa realidade por vezes má, confesso"

Eliéser Baco - direitos reservados na Biblioteca Nacional