© - Copyright - ©

Copyright - © As fotos e os textos de Eliéser Baco aqui publicados têm Todos os Direitos Reservados pela Lei 9610/98- ©

domingo, 8 de abril de 2012

Origens - Capítulo 6 e 7 de 7

Ópio e Circo
VI

            Inoperância. É parte do homem servir, escravizar-se e aceitar passivamente o que vem dos círculos mais altos. O poder é para poucos. E desses poucos, menos ainda os que possuem alegria e verdade no coração. O poder depende, no mais das vezes, de uma personalidade psicótica, sem a qual é muito difícil manter algum controle, sobre o povo, e sobre as próprias emoções. Poucos aguentariam tamanha pressão. Nenhum líder subsiste sem Maquiavel. Às vezes tenho a estranha sensação de que o povo é manipulado de forma quase consciente, e se compraz disso. Será possível? É possível escravizar-se instintivamente? Daí vem a grande força dos ditadores - a capacidade de dominar e subjugar, através do carisma, dos favores, das políticas populistas, do conformismo em nome de um grão de café. A simplicidade é o limite do povo. Pra que mais?

Por Fabiano Queiroz.


            Havia um homem, navegou pelos estreitos dos mares, percebeu que quanto mais difícil a empreitada, lançar navio às ondas mais assustadoras, mais vivo se sentia. Não esperava ajuda senão dos homens que ali com ele poderiam se perder e tomava posse de suas coragens, dando engrenagem para eles se superarem. Naturalmente sábio. Quem não confia em si e depende da colaboração do chamado destino ou dos homens do alto só podem ver o mar intenso da vida de longe. Dificuldades, trajetos, todos temos. Acomodado o bruto navegador ficaria diante da vida? Quis desbravar o que era necessário para se fortalecer diante dele próprio. Os favores do homem são para pilhar terras e mulheres alheias. O povo quer circo e manteiga. Ainda se manteiga fosse para currar a mulher dos corruptos. E não é. É para serem currados pelos renomados.

Por Eliéser Baco




ILUSÃO COMPARTILHADA
VII
            Partimos nós, em intensidade, rumo aos mais distantes pensamentos sobre o que nos faz humanos, sobre os processos cognitivos e as faculdades mentais, essas que elaboram atrocidades, desvarios e desmandos. Humanos somos, e por isso, selvagens mais que tudo, pois, a consciência nos permite elevar a níveis inimagináveis o pior do homem. Nossa indisfarçável incompetência em dividir o mesmo espaço sequer nos permite criar uma verdadeira unidade, pois que nossas diferenças nos oprimem e separam. Toda união total é mera ilusão. Será pessimismo? Venerável, não há espaço para todos, e os conflitos são intermináveis. Se há saída para o círculo vicioso, mostre-nos, como Venerável Líder de um povo desencontrado.

Por Fabiano Queiroz.

            Caríssimo, embora discordemos opiniões, manifestamos continuado diálogo. De ilusão sempre fomos cercados. Da brusca caminhada em direção aos pólos, aos ares, às pernas de uma Srta de rústicos desejos; o que se compreende por fraternidade não existe de fato, somente a meu ver, e em parte, naquela união de homens com seus esquadros e templos. Se não compreendemos nosso vizinho, na mesa da taverna, compreenderemos o que não entende nosso dialeto? Ou o estrangeiro, que costura sua vida na esperança, e é escravo em nossas terras? Navegue até aqui, repartirei o néctar sagrado, abrirei suas opiniões nas antigas vinhas, zelarei por sua história sem fé cega, em tempestades necessárias.
Por Eliéser Baco

Ocorreu um erro neste gadget

Bebedouro

"Ainda não consigo ter pena quando o mal encontra em nós, bebedores de sangue, o dia da desforra. Ainda não consigo perdoar aquilo que eu nunca faria para outra pessoa com tanta frieza, dissimulação e carisma nos olhos. Está aí prontamente a distinção de parte do que fui feito nas décadas, da maré que me fez derrubar o sangue alheio na minha realidade. Sombrias formas de olhar caminhos cruzados, ácido que sai nas linhas e na voz quando o cansaço encontra a raiz para a paz momentânea, e os nossos ossos só querem ferir, proteger os nossos e ferir quem atinge ideais, história sã e a nossa verdade. Nossa realidade por vezes má, confesso"

Eliéser Baco - direitos reservados na Biblioteca Nacional