© - Copyright - ©

Copyright - © As fotos e os textos de Eliéser Baco aqui publicados têm Todos os Direitos Reservados pela Lei 9610/98- ©

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Tirarei do Blog


Boa noite amigos.

       Preparando o término do meu livro, escrito e reescrito nos últimos tempos, tirarei do blog primeiramente os textos de Zorzi, em seguida os de Santino. 

Eu já havia feito isso com os textos de "Mr. Chivalry", onde contava sobre Leon Chivalry e seus amigos, chamados de Invernais. Creio que sempre existirão personagens fixos dentro dos textos que faço para o blog, e muitos deles, esses três inclusive eram somente para o blog; felizmente tiveram um vulto mais interessante pra mim e por isso foram convidados a embarcarem no meu primeiro livro. Personagens aceitaram e então deixarão o convívio virtual para depois estarem todos juntos dentro do material físico da edição. 

Algumas pequenas mudanças nos capítulos mais confusos estou lapidando para deixar aptos para uma melhor apreciação no livro. Espero sinceramente que os meus 88 seguidores tenham acesso ao livro e possam me dar a resposta se foi uma boa leitura ou não. Sinceramente são os 88 e mais alguns amigos que me motivam junto com meu amor pela arte a continuar a tecer mais de minha alma em cada frase e cada personagem. 

Espero que compreendam a retirada dos textos. Sei também que não são nenhum maremoto para eu me condoer tanto. (hehe)
Zorzi ficará até este final de semana, e Santino até o fim do mês conosco, aqui no Vinho da Vida.

Abraço no coração de cada um.

Eliéser Baco
Ocorreu um erro neste gadget

Bebedouro

"Ainda não consigo ter pena quando o mal encontra em nós, bebedores de sangue, o dia da desforra. Ainda não consigo perdoar aquilo que eu nunca faria para outra pessoa com tanta frieza, dissimulação e carisma nos olhos. Está aí prontamente a distinção de parte do que fui feito nas décadas, da maré que me fez derrubar o sangue alheio na minha realidade. Sombrias formas de olhar caminhos cruzados, ácido que sai nas linhas e na voz quando o cansaço encontra a raiz para a paz momentânea, e os nossos ossos só querem ferir, proteger os nossos e ferir quem atinge ideais, história sã e a nossa verdade. Nossa realidade por vezes má, confesso"

Eliéser Baco - direitos reservados na Biblioteca Nacional