© - Copyright - ©

Copyright - © As fotos e os textos de Eliéser Baco aqui publicados têm Todos os Direitos Reservados pela Lei 9610/98- ©

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Enquanto espero...

Sucessão de sensações agradáveis. Daquela harmonia preferida cacos da janela estão no chão. Uns dias e umas noites mais de espera... emitir e receber oscilações. Um vulto de reciprocidade passou perto da porta.

Umas semanas e uns meses mais enquanto espero... a moeda girada no ar cai de pé toda vez. Não existe sorte nessa esfera de pensamento e ação, reflexão e consequências. A sorte seja talvez errar o mínimo possível com menos intensidade quanto conseguir ser inteligente. Eis a questão portanto.

Li tantas cartas endereçadas ao meu coração. Abri tantos envelopes destinados ao meu entendimento.
Errei..
É fato.

E nenhuma frase poética e interessante pode execrar isso. Expurgar isso.
O estado das coisas é assim mesmo agora. Dois olhares tentam ajustar a mesma frequência. A qualidade de seleção dos receptores é ótima. Parece um algo destemido demais lembrar daquela sucessão de sensações agradáveis. Até o fatídico tropeço e a cara na lama dos meus piores dias.

Li tantas cartas endereçadas ao meu coração que adoraria que os olhares ajustassem a mesma sintonia. Umas semanas e uns meses mais enquanto espero o vulto de reciprocidade voltar a caminhar junto de nossas mãos unidas. 
Ocorreu um erro neste gadget

Bebedouro

"Ainda não consigo ter pena quando o mal encontra em nós, bebedores de sangue, o dia da desforra. Ainda não consigo perdoar aquilo que eu nunca faria para outra pessoa com tanta frieza, dissimulação e carisma nos olhos. Está aí prontamente a distinção de parte do que fui feito nas décadas, da maré que me fez derrubar o sangue alheio na minha realidade. Sombrias formas de olhar caminhos cruzados, ácido que sai nas linhas e na voz quando o cansaço encontra a raiz para a paz momentânea, e os nossos ossos só querem ferir, proteger os nossos e ferir quem atinge ideais, história sã e a nossa verdade. Nossa realidade por vezes má, confesso"

Eliéser Baco - direitos reservados na Biblioteca Nacional