© - Copyright - ©

Copyright - © As fotos e os textos de Eliéser Baco aqui publicados têm Todos os Direitos Reservados pela Lei 9610/98- ©

sexta-feira, 1 de maio de 2015

O Baile Severo

A solidão não é tão severa. Ela aconchega a reflexão. Assenta na calmaria de sua presença o próximo passo, o próximo ato, o próximo minuto. Na ausência dos outros, a solidão se confirma de nada maldosa. O que maltrata são as boas memórias que temos. Sem memórias preciosas, a solidão seria o astronauta se desenvolvendo nos passos do cosmos.

Mas, na vivência e no colher dos seus frutos e de suas flores do mal, a solidão reverbera as vozes, os perfumes, os abraços, os sorrisos, todos os movimentos e sensações, todos os vislumbres e diagramações que experimentamos.

Na solidão sabe-se quem não nos quer bem. Quem não nos quer. Quem deixou de importar e quem deixou de se importar. Um dia de solidão, um mês de solidão, quatro meses de solidão, cem anos de solidão. É um corte que não cura. É um sangue fingidor que escapole durante o sono. A música ressoa. Ecoa o passado. O futuro é uma névoa e o presente é a solidão. Parabéns, o presente é a solidão.

Os centavos caem do bolso, homem. As migalhas pisadas no retorno que não ocorreu. Tudo que era demais e belo é um fel que tresanda entre os poros. Bofé que está assim, a mente, os parafusos, os fios e o clamor. O que maltrata não é vagar, é não haver chamado para que desperte.


.........
Texto e foto: Eliéser Baco (Todos os Direitos Reservados pela Lei 9610/98)
Ocorreu um erro neste gadget

Bebedouro

"Ainda não consigo ter pena quando o mal encontra em nós, bebedores de sangue, o dia da desforra. Ainda não consigo perdoar aquilo que eu nunca faria para outra pessoa com tanta frieza, dissimulação e carisma nos olhos. Está aí prontamente a distinção de parte do que fui feito nas décadas, da maré que me fez derrubar o sangue alheio na minha realidade. Sombrias formas de olhar caminhos cruzados, ácido que sai nas linhas e na voz quando o cansaço encontra a raiz para a paz momentânea, e os nossos ossos só querem ferir, proteger os nossos e ferir quem atinge ideais, história sã e a nossa verdade. Nossa realidade por vezes má, confesso"

Eliéser Baco - direitos reservados na Biblioteca Nacional