© - Copyright - ©

Copyright - © As fotos e os textos de Eliéser Baco aqui publicados têm Todos os Direitos Reservados pela Lei 9610/98- ©

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Olá, bom dia, porvir.


Saudade de todas emoções que terei, de todas as canções que comporei, 
de todos os dias de olhos marejados que me abração, pois a arte é aceita no meu coração (este, ás vezes, incompreendido).


Saudade de todos os burburinhos inteligentes que estarão ao meu redor, de todos os textos que escreverei, de todos os dias e noites que virão, pois,  nada disso envolverá mais que o amor que receberei e retribuirei no retorno do tempo ao cálice da minha história.

Texto e foto: Eliéser Baco

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

@ebaco78

Quer saber sobre mim?

Sobre o anúncio dos códigos. Daqueles que originam despesas com nomenclaturas. Sobre a localização e nome completo. @ebaco78.

Conversas a seguir, seguidores de suas letras tão semissintéticas. tão morfosserpentes. Guardar alterações no topo desses sintomas. De estar sobre...
Cancelar os ajustes?
A editar o seu perfil dessa forma, tão...

Inserirei um link para meu sítio de informação pessoal. Caducarei essas guias de leituras, esses pormenores através de palavras, claustrofobia imagética e pomadas anti-zumbi.  E talvez possamos saber um sobre o outro, na tomada que se despregará de minha nuca, de minhas narinas, de minhas veias... Obtenha a aplicação de ser você mesmo. Entre idiomas, quem somos? Escritores? Negócios? Somos empregos, números e estatísticas! Somos imprensa, um pouco de termos, quase uma ajuda.

texto e foto: Eliéser Baco
Ocorreu um erro neste gadget

Bebedouro

"Ainda não consigo ter pena quando o mal encontra em nós, bebedores de sangue, o dia da desforra. Ainda não consigo perdoar aquilo que eu nunca faria para outra pessoa com tanta frieza, dissimulação e carisma nos olhos. Está aí prontamente a distinção de parte do que fui feito nas décadas, da maré que me fez derrubar o sangue alheio na minha realidade. Sombrias formas de olhar caminhos cruzados, ácido que sai nas linhas e na voz quando o cansaço encontra a raiz para a paz momentânea, e os nossos ossos só querem ferir, proteger os nossos e ferir quem atinge ideais, história sã e a nossa verdade. Nossa realidade por vezes má, confesso"

Eliéser Baco - direitos reservados na Biblioteca Nacional